sábado, 19 de maio de 2018

TERMINAL DE GÁS NO PORTO DA BEIRA, SOFALA, MOÇAMBIQUE INAUGURADO A 21 DE MAIO 2018 PELO PRESIDENTE DA REPÚBLICA, FILIPE JACINTO NYUSI

TERMINAL DE GÁS NA BEIRA INAUGURADO SEGUNDA - FEIRA, UM TERMINAL AUTOMATIZADO DE GÁS, O PRIMEIRO DO PAIS EQUIPADO COM NOVAS TECNOLOGIAS E COM CAPACIDADE DE ENCHIMENTO DE QUATRO A CINCO MIL BOTIJAS POR DIA, LOCALIZADO NO 


terça-feira, 15 de maio de 2018

DEAN PITMAN EMBAIXADOR DOS EUA ANUNCIOU A ESTRATÉGIA DA UTILIZAÇÃO DEO AGOA; IMPULSIONA O COMÉRCIO A PARTIR DE MOÇAMBIQUE PARA OS EUA

EUA apoiam o aumento do comércio com Moçambique através da AGOA Embaixador dos EUA, Dean Pittman, no Lançamento da Estratégia de Aproveitamento da AGOA Maputo (O Autarca) – O Ministério da Indústria e Comércio lançou na última segunda-feira (14), em Maputo, a Estratégia de Utilização da AGOA – Lei do Crescimento e Oportunidade para África em Moçambique. Projectada para aumentar o comércio e o crescimento económico em toda a África, a Estratégia ajudará a garantir que as empresas Moçambicanas estejam melhor posicionadas para usar a AGOA para acesso isento de impostos, ao mercado dos EUA para mais de 6.500 produtos. A AGOA é a iniciativa comercial fundamental dos Estados Unidos com a África Subsaariana, e um forte símbolo da parceria dos E.U.A. com a região. Os dez anos de extensão da AGOA até 2025 oferecem ao sector privado uma oportunidade de desenvolver e implementar uma relação comercial de longo prazo com os Estados Unidos. Na sua intervenção no lançamento da Estratégia de Utilização da AGOA, o Embaixador dos EUA em Moçambique, Dean Pittman, observou que “incentivos comerciais para aceder ao mercado americano levarão a um aumento dos investimentos em África, criando mais empregos e oportunidades económicas para todos.” A Estratégia de Utilização da AGOA em Moçambique priorizará os principais sectores e produtos para potencial expansão do comércio para os Estados Unidos, incluindo: fabricação de têxteis / vestuário; “Alimentos de Especialidade” e o processamento agrí- cola (castanha de caju, ervilha, mandioca, amêndoa sem casca, feijão, noz de macadâmia, melaço de cana, etc.) e metais preciosos.■ (Redacção) "
FONTE: JORNAL O AUTARCA DE MOÇAMBIQUE

segunda-feira, 14 de maio de 2018

RECENSEAMENTO EM MOÇAMBIQUE, APELO, TERMINA A 17 DE MAIO DE 2018

Vamos todos recensear Beira (O Autarca) – Faltam apenas três dias para o fim do processo de recenseamento eleitoral para as quintas eleições autárquicas marcadas para 10 de Outubro pró- ximo e sextas gerais (presidenciais e legislativas) e terceiras das assembleias provinciais agendadas para Outubro de 2019. Todos os cidadãos com idade eleitoral são chamados a dirigirem-se aos postos de recenseamento afim de obter o direito de votar nas próximas eleições. Quem já recenseou tem a responsabilidade de mobilizar todos os seus próximos a se deslocarem aos postos de recenseamento. Tornase necessário ajudar as pessoas que não tem condições de se deslocar aos postos, emprestando meio de transporte e outras formas para permitir que ninguém fique de fora neste processo, crucial para as próximas eleições. As presentes eleições tem revelado bastante interesse não só dos potenciais eleitores, mas de todos os cidadãos moçambicanos. Talvez pelo contexto em que elas tem lugar, num período em que é cada vez mais crescente e notório o sentido de análise e crítica dos cidadãos nacionais principalmente em relação aos processos de governação. Mas para que elas de facto tenham bastante interesse é necessário que os cidadãos estejam habilitados para exercer o voto, um direito e dever cívico e de cidadaina. É por isso que apelamos a todos os potenciais eleitores a se recensear. É só ter um pouco de paciência, suportar a fila e adquirir o cartão de eleitor, como forma de contribuir para o crescimento harmonioso do país. Não importa se se identifica ou não com este ou aquele candidato ou partido político. O que conta é a sua participação no processo. O nosso desejo como agente promotor da cidadania é ver toda gente habilitada para votar em consciência no candidato ou partido concorrente que representa a vontade e os reais interesses do povo moçambicano, nos seus variados extratos sociais.■ (Redacção) "
FONTE: JORNAL O AUTARCA DE MOÇAMBIQUE

MIA COUTO PREPARA LIVRO SOBRE MEMÓRIAS DA BEIRA, SOFALA, MOÇAMBIQUE

"Mia Couto prepara livro sobre memórias na Beira Depois da trilogia "As Areias do Imperador", Mia Couto quer assentar os pés na terra e escrever sobre a cidade onde cresceu, a Beira, no centro de Moçambique. Escritor pretende "reinventar" as memórias de infância. Mia Couto terminou, no ano passado, a trilogia "As Areias do Imperador", que tem como pano de fundo os últimos dias do segundo maior império em África governado por um africano, Ngungunyane, no final do século XIX. O escritor moçambicano diz agora que a sua próxima obra será diferente - mais pessoal. "Depois de viajar por tempos tão distantes, por gente tão antiga, apeteceu-me tomar uma coisa mais com chão, mais concreta, que seriam as minhas memórias", afirma em entrevista à DW África. Mia Couto terminou, no ano passado, a trilogia "As Areias do Imperador", que tem como pano de fundo os últimos dias do segundo maior império em África governado por um africano, Ngungunyane, no final do século XIX. O escritor moçambicano diz agora que a sua próxima obra será diferente - mais pessoal. "Depois de viajar por tempos tão distantes, por gente tão antiga, apeteceu-me tomar uma coisa mais com chão, mais concreta, que seriam as minhas memórias", afirma em entrevista à DW África. O autor quer reinventar o lugar onde nasceu e cresceu: a cidade da Beira, no centro de Moçambique. O próximo livro não será autobiográfico. Mia Couto pretende, antes, celebrar a sua infância. "Estou a reinventar aquele lugar [a Beira], para que ele permaneça vivo dentro de mim", conta o escritor. "Não vou falar de mim nem da minha família, mas desse tempo terminal de um mundo colonial e como é que ali já se adivinhava qualquer coisa que vinha. São mais as minhas lembranças. Não quero falar de mim. A minha história não interessa tanto assim". É o que diz Mia Couto. Outras pessoas, particularmente os seus fãs, poderão discordar.■ (Redacção/ DW)"
FONTE: JORNAL O AUTARCA DE MOÇAMBIQUE.

CHINA E MOÇAMBIQUE LANÇAM PROJECTO DE ACESSO À TELEVISÃO POR SATÉLITE, CRIADA A TELEVISÃO RURAL

"China e Moçambique lançam projecto de acesso à televisão por satélite Maputo (O Autarca) – Os Governos da China e de Moçambique lançam no próximo domingo (13), no distrito de Marracuene, província de Maputo, o programa de cooperação para permitir que as famílias rurais assistam televisão por satélite, melhorar a digitalização e promover a parceria estratégica abrangente entre aquele país asiático e Moçambique. O acto do lan- çamento da iniciativa, que abrange 500 aldeias moçambicanas, junta membros do governo de dois países e classe empresarial. O projecto, denominado Acesso à TV por Satélite para 10 mil Aldeias Africanas, resulta do anúncio o Presidente da China, Xi Jinping, proferido em Dezembro de 2015, no Fórum de Cooperação China-África (FOCAC), realizado na África do Sul. O mesmo será implementado em cerca de 25 países africanos. A nível da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP), Moçambique é o primeiro país a beneficiar do projecto. A iniciativa calha numa altura em que se debate o processo de digitalização em Moçambique. Assim, cinte da importância deste assunto que obviamente vai trazer transformações sócio-económicas no nosso país, convidamos o vosso prestigiado órgão de comunicação social para fazer a cobertura do evento.■ (Redacção) "
FONTE: JORNAL O AUTARCA DE MOÇAMBIQUE

sexta-feira, 4 de maio de 2018

AFONSO MACACHO MARCETA DHLAKAMA, PRESIDENTE DA RENAMO FALECEU, PAZ À SUA ALMA!

ESTAS FOTOS FORAM TIRADAS EM SANTUGIRA, GORONGOSA, EM 14 DE AGOSTO DE 2013
O meu percurso até Santugira começou em 11 de Abril de 1990, quando o Presidente Chissano desafiou o Embaixador Francisco Madeira e a mim num encontro a altas horas da noite que tivemos no Palácio de Queluz em Lisboa, para nos encontrarmos com um amigo de infância comum do Embaixador Madeira e meu, Manuel Franque então Delegado da RENAMO em Lisboa e hoje Venerando Juiz Conselheiro do Conselho Constitucional. Antes Chissano tinha recebido o conhecidíssimo empresário Manuel Bolhosa. Algures em 1991/92, antes do Acordo Geral de Paz, o Presidente da RENAMO visita o Porto, sou convidado para um encontro almoço na Associação Comercial do Porto, eu era o Cônsul de Moçambique no Porto. Bem o Presidente Afonso Dhlakama sempre teve excelente memória, estes e outros factos lembrou-me eler em SANTUGIRA. A este encontro foram comigo dois amigos Carmo Jardim e António Dias da Cunha. Lembrou aina outro episódio da presença dele no funeral do filho de Chissano, Nympine e de Marcelina Chissano lhe ter pedido desculpa em público na Igreja pelo facto de mão o ter cumprimentado em Dezembro de 1994.
RECEBEM-NOS COM MUITA CORDIALIDADE DURANTE CINCO HORAS E TAL. DESCANSE EM PAZ!